10 dicas essenciais para aumentar o tráfego orgânico no seu site

aumentar o tráfego orgânico

Compartilhe agora =)

Rate this post

Descubra, de uma vez por todas, como atrair mais pessoas para o seu site de forma orgânica

Muitas pessoas que têm Sites, Blogs, Lojas Virtuais e afins, acabam esquecendo (ou não colocando em pauta) a importância de aumentar o tráfego orgânico no site. Mas, quando paramos para refletir que o resultado de visitas orgânicas em um site deveria ser maior, nos deparamos com várias técnicas e ferramentas de otimização. 

Pensando nesse assunto, trago aqui algumas dicas que você pode usar para otimizar o seu site e, assim, aumentar o tráfego orgânico, de modo que não perca mais Leads e oportunidades.

O que é tráfego orgânico?

Vamos lá então, como eu disse anteriormente, vou te ensinar algumas boas práticas que vão fazer o Google (ou outros buscadores) “gostar” cada vez mais de você e do seu site. Mas, como falar de otimização sem primeiro explicar o que seria o tráfego orgânico?

O tráfego orgânico é um conjunto de visitas que você recebe de forma espontânea, sem investimento de verba e esforço em anúncios patrocinados. Quer se aprofundar nas técnicas que podem potencializar os seus acessos orgânicos? Confere esse blog post então.

Um pouco da história da Google

O Google é o maior buscador do mundo. Portanto, torna-se fundamental posicionar bem o seu site, de forma orgânica,  nessa ferramenta.

Criada lá em 1998 pelo Larry Page e o Sergey Brin, a empresa Google não tinha toda essa alcunha de ser o maior buscador e trazer uma relevância de pesquisa. A empresa surgiu, primeiramente, para armazenar artigos acadêmicos na internet, mas os amigos Sergey e Larry conseguiram ver um potencial imenso na Google e a transformaram no maior buscador online do milênio.

Mas, como os buscadores, como o Google, classificam um site?

ranqueamento google
Reprodução: Shutterstock
  1. Os buscadores (principalmente o Google) classificam e posicionam os sites seguindo o Page Rank, que seria uma métrica do buscador em analisar a qualidade de uma página e a quantidade de links que apontam para ela. Ou seja, literalmente um ranking de páginas online. Vale lembrar, também, que este não é o único algoritmo que o Google utiliza para classificação de páginas na internet;
  2. Há uma série de técnicas e estratégias de otimização para os buscadores que chamamos de SEO (Search Engine Optimization), que significa Otimização para Motores de Busca;
  3. Basicamente, o Google classifica os sites por: Reputação, que seria como o site se comporta em relação à segurança e desempenho; Autoridade, que é quando o seu site possui a maioria dos critérios de qualidade exigidos e Popularidade, quando o seu site é bem visto pelos algoritmos e recebe links que apontem ao seu site.

Agora que você já sabe de tudo isso, chegou a hora de te passar as dicas que te prometi lá no começo deste texto. São 5 dicas fundamentais que te permitirão ter um resultado eficiente e um tráfego orgânico excelente. Eu sei que você está se perguntando: como vou fazer isso? É difícil? Eu mesmo consigo fazer?

Já respondendo essas perguntas, não é difícil fazer e sim, todas as dicas que vou disponibilizar aqui para aumentar o seu tráfego orgânico podem ser colocadas em prática. Então, vamos lá!

Reprodução: Giphy

Otimize o SEO do seu site e aprimore a sua audiência

As regras de SEO são o que te proporcionam sair da área de aprendizagem e entrar na área profissional, venha conhecê-las e ficar por dentro das regras dos buscadores:

Otimize todas as Urls do seu Site [URL]

Se vamos começar a falar de otimizações devemos iniciar por um recurso que faz o usuário encontrar o seu site diretamente. Esse recurso é a URL. 

Devemos utilizar URLs diferentes para cada página e sempre pensando a longo prazo, para evitar a troca precoce de URL e assim perder relevância no Google. Para seguir fazendo uma otimização eficaz na sua URL é necessário inserir a principal palavra-chave da página nela por questões da densidade de palavra-chave. Por exemplo: se você está usando 100 palavras no seu texto e a sua palavra-chave é mencionada uma vez no texto, a densidade de palavras-chave acaba sendo de 1%. Recomendamos a densidade de URL no seu texto de 1% a 3%.

Utilizamos poucas letras na URL porque o Google lê até 115 caracteres e quando passa dessa quantidade é difícil dele ler inteiramente a sua URL e também não abusamos da quantidade de “/” (barras). Procure usar a palavra-chave em foco no início da URL (se sua palavra-chave for “camiseta azul”, por exemplo, tente fazer a URL desta forma: www.meusite.com.br/camiseta-azul-simples). Se a sua principal palavra-chave for composta por mais de uma palavra, separe-as com traço (-). Por exemplo: palavra-chave

Otimize os Títulos do seu Conteúdo [Titles]

Quando paramos para pensar que os títulos dos nossos conteúdos é um dos fatores de otimização interna mais importante, que deve ser atrativo e sucinto, podemos ficar com medo de fazer errado, o que acaba nos impossibilitando de criar títulos que representam aquilo que o usuário realmente está procurando.

Para eliminar essa dificuldade,  é possível fazer uma dinâmica simples, que seria pesquisar uma dor (dúvida, dificuldade, necessidade) ou algo do interesse no Google, para analisar como estão alinhadas as palavras-chave nos títulos dos primeiros lugares dessa busca. 

Outra dica interessante é que aqui, na Agência Mango, nós sempre utilizamos ferramentas de análise de palavras-chave, como a Ubersuggest do Neil Patel, por exemplo. Com ela conseguimos analisar o volume de busca de uma palavra-chave, a competição na busca orgânica e o custo por clique médio. Uma funcionalidade legal é que a ferramenta mostra as palavras-chave semelhantes àquela pesquisada.

ubersuggest
Reprodução: Ubersuggest

Com a ferramenta da Ubersuggest conseguimos não só procurar palavras-chave para otimizar os nossos Títulos, mas também para os outros tópicos de otimização do tráfego orgânico, assunto que vou abordar mais à frente, então continue a leitura para aprender mais. E o melhor, a ferramenta é gratuita!

Outras dicas!

Na hora de pensar no título do seu site institucional, da sua loja virtual ou blog nós sempre recomendamos criar algo que seja plausível para a página que estamos colocando na internet. Por isso, o ideal é que se mantenha uma quantidade mínima de 30 caracteres e máximo de 60 caracteres. 

Além disso, uma outra dica de otimização que eu já fiz com alguns clientes e consegui um resultado bacana, é inserir Call To Actions (CTAs = chamada para ação) nos títulos, mais ou menos da seguinte maneira:

Ex: Conheça os benefícios do Produto X para você!

Quando usamos essa estratégia de comunicar com o usuário no imperativo, estamos pedindo para o nosso usuário fazer aquela ação que, para nós, é importante. Afinal, se ele chegou ao nosso resultado na pesquisa Google é porque podemos resolver o problema daquela pessoa.

Otimize as suas descrições [Meta Descriptions]

Você pode ficar um pouco perdido(a), pensando o que seria meta description, mas calma, porque eu vou te explicar! A meta description nada mais é do que a descrição que aparece logo após o título na busca, como você pode conferir abaixo:

Beleza Lucas, agora eu sei que a descrição é o conteúdo que aparece logo após o título, mas e agora, como posso otimizá-la? Bom, como sabemos, o título é um fator de otimização muito importante, então trataremos a descrição igual. Enquanto a URL e o título acabam sendo as primeiras impressões da nossa página, a descrição vem em segundo lugar e, por isso, devemos deixar ela sempre otimizada e atualizada com a proposta da página que temos online.

Como boas práticas, podemos fazer as seguintes otimizações na descrição para levarmos maior tráfego ao site:

  • Produzir descrições com, no mínimo, 70 caracteres e no máximo 156 caracteres;
  • Inserir as principais palavras-chave já utilizadas no texto.

Atenção! Devemos lembrar que não é preciso inserir palavras-chave em excesso nos conteúdos, mas sim, inserir as palavras certas. Elas precisam ser relevantes para a leitura e, de preferência, ter um volume de buscas considerável e recorrente, pois o Google privilegia a experiência do usuário. Eu vou abordar mais esse assunto neste texto,  por isso, continue lendo para saber mais!

Otimize as suas Tags de Título [Heading Tags]

Aqui, chegamos em um ponto bacana das melhorias para ter um tráfego orgânico maior. Eu já falei sobre Títulos logo acima, mas agora vou precisar voltar no assunto novamente, porém de outra forma. 

Na formatação de um site e estruturação de conteúdos, utilizamos marcações chamadas Heading Tags, uma estratégia que permite que o Google nos veja com maior relevância, quando o conteúdo é estruturado corretamente. 

Essas marcações, aplicadas principalmente em títulos e subtítulos, nos permitem trabalhar as palavras-chave, contudo, elas estruturam o conteúdo aplicando  maior relevância em algumas Tags em detrimento de outras.

As Tags H1, H2, H3, H4, H5 e H6 precisam conter os títulos do decorrer da página em ordem de importância, sendo a H1 de maior importância e a H6 a de menor importância para os buscadores. Assim, quando organizamos o nosso conteúdo corretamente, seguindo as Heading Tags, isso nos permite uma organização melhor, tanto para o usuário encontrar o que procura com facilidade quanto para os robôs do Google classificarem seu site.

Mas como organizo essas Heading Tags, Lucas? Vou ambientar como seria essa organização:

Otimize as suas Imagens [Alt Attribute]

Você sabe muito bem a importância que uma imagem bem feita e bonita tem para a estética do seu site, né? É por isso que devemos otimizar o seu tamanho, o que vai influenciar em tempo de carregamento, nomear o arquivo corretamente e aplicar o atributo alt, que é a inserção da principal palavra-chave da página como o nome da imagem.

Para a questão do tamanho, existem várias formas de comprimir a imagem para deixá-la com o menor tamanho possível e sem influenciar bruscamente na sua qualidade, como a ferramenta TinyPNG. O tamanho que aconselho a usar nas suas imagens é de no máximo 100 KB. Quanto mais leve, melhor.

TinyPNG
Reprodução: TinyPNG

Mas antes de comprimir, tente reduzir o tamanho da imagem em algum editor visual, como o Photoshop, por exemplo. Se você tirou uma foto em alta qualidade e o arquivo bruto tem mais de 3000 pixels, por exemplo, não há necessidade de subir ela com dimensões tão grandes assim, né? Não deixe a imagem perder qualidade, é claro, mas encontre um equilíbrio por volta dos 800 pixels para a imagem ficar ótima tanto para o usuário visualizar, quanto para seu site não ficar lento por causa do peso das imagens. Quando salvar, renderize em formatos como JPEG 2000, JPEG XR e WebP, que, segundo o Google, geralmente resultam em uma compactação melhor em comparação a PNG ou JPEG, o que significa downloads mais rápidos e menor consumo de dados.

E um hack bônus! Quando for nomear o arquivo, não coloque qualquer coisa. Tente fazer como na URL colocando somente letras minúsculas, sem acento ou cedilha e substituindo os espaços por hífens. Ao invés de salvar uma foto de uma bola de vôlei como, por exemplo, Bola de Vôlei_01.jpg salve como bola-de-volei.jpg . A sacada é nomear o arquivo como se você estivesse definindo uma URL, pois fazendo isso você aumenta as chances da sua imagem ser mais visualizada por meio do Google Imagens. Então, defina o nome do seu arquivo descrevendo exatamente o que ela representa (afinal, o robô do Google ainda não consegue ler e interpretar imagens como o ser humano, mas pode ler o nome dos arquivos. Veja quais palavras-chave com alto volume de busca você pode inserir e salve imagens poderosas.

Sobre o Atributo Alt, essa é uma otimização que aumenta a relevância das imagens e também acaba sendo importante para inclusão digital, pois existem programas que fazem leitura do alt attribute para quem possui deficiência visual, além do caso da imagem não aparecer por conexão  ruim da internet, carregando, neste caso, a tag alt image.

Tenha um conteúdo exclusivo no site para aumentar o seu tráfego

A segunda dica para você aumentar o tráfego orgânico no seu site, é a criação de conteúdos exclusivos no seu site. Quando criamos um conteúdo exclusivo, bem diagramado e dentro das regras de SEO (que já vimos anteriormente) para palavras-chave com bom volume de busca, não há porque o Google não ver relevância no seu conteúdo. Além disso, se houver uma preocupação na hora da produção, sempre buscando oferecer o melhor  para o usuário no conteúdo, a tendência em ficar nos primeiros resultados de pesquisa é muito grande.

Para fazer a  análise de conteúdo duplicado na internet, eu costumo utilizar a ferramenta chamada Dupli Checker, para evitar a criação de um conteúdo duplicado sem querer e até para vermos se as pessoas estão copiando os nossos conteúdos.

Duplichecker

Duplichecker
Reprodução: Duplichecker

Não deixe de fazer o seu Blog e produzir conteúdo original

Poucas pessoas se lembram do boom dos Blogs no Brasil, que foi por volta de 2008, trazendo vários blogueiros com audiências segmentadas e acessos diários exorbitantes. O interessante é que essa ferramenta continua presente até hoje e se tornou uma aposta e tanto em estratégias de marketing, como o Inbound Marketing.

Quando criamos um Blog para o nosso site, buscamos ganhar relevância com conteúdo original e segmentado, a fim de ajudar e entregar o conteúdo a quem tanto queremos impactar.

Uma ferramenta comumente utilizada para a criação de blogs é o WordPress, um sistema chamado CMS (Content Management System) que corresponde a um gerenciamento de conteúdos, sendo, atualmente, responsável por grande parcela dos blogs mundiais (aproximadamente 27% dos sites usam WordPress). Com isso, a plataforma acabou se tornando a mais popular do mundo para os conteúdos digitais.

Vou te mostrar mais algumas vantagens de ter um blog:

Humanização da sua empresa: quando começamos a escrever no blog de maneira simples e atrativa ao nosso cliente, nós nos aproximamos dele e mostramos que também somos humanos e que já podemos ter passado pelos mesmos problemas ou ter as mesmas dúvidas que o usuário tem;

Baixo custo de manutenção: o Blog é uma ação de marketing que se caracteriza por ter um baixo custo de manutenção e grande potencial de captação de leads, pois quando você está lá para resolver os problemas dos seus usuários ou entregar algo novo para eles, você amplia os canais de conversão;

Comunicação direta com seu público: com o Blog você pode alcançar um nível de comunicação direta com seus usuários e cada vez mais você tende a ser considerado referência no seu nicho;

Credibilidade para o seu negócio: a credibilidade que as primeiras posições do Google fornece é grande, e uma maneira rápida e fácil para conseguir essa credibilidade é a criação de um blog e a constante atualização e manutenção dele, seguindo as dicas que abordamos nos tópicos anteriores;

Vendas: sim, um Blog pode trazer vendas para você, pois acaba atraindo visitantes em estágios diferentes do funil de vendas. Por isso, quando for abordar aqueles produtos no Blog, é interessante deixar links, banners ou pop-ups que levem direto ao produto ou categoria para gerar vendas.

Atualize o seu conteúdo para aumentar o tráfego orgânico

Muitas vezes, pensamos que devemos focar totalmente o nosso conteúdo para assuntos atuais e de grande representatividade no nicho, e acabamos negligenciando aqueles conteúdos que fizemos a um ano ou dois atrás. Isso ocorre, muitas vezes, por falta de tempo ou porque não acreditamos que aquele conteúdo possa ser relevante no momento atual.

Vamos imaginar que você tenha produzido um conteúdo muito bom há algum tempo e, na época em que você o produziu, ele foi bem visto e recebeu bastante acesso. Contudo, quando foi reler nos dias atuais, percebeu que estava desatualizado e tinham coisas que não faziam mais sentido. Logo de cara você pensaria em excluir esse conteúdo, não é? Acredito que tenha concordado comigo,  pois eu também já pensei isso. Mas, parando para estudar e buscando aumentar o meu tráfego orgânico com o conteúdo que já havia produzido anteriormente, optei por algumas otimizações simples que vou te ensinar aqui.

Supondo que sua empresa tem um post no blog que o nome é “5 Dicas de como anunciar na internet”, que foi escrito em meados de 2012. Já estamos em 2019 e muitas coisas mudaram. Para essa situação, podemos ter duas saídas:

Primeira saída: criar um conteúdo novo sobre o assunto que você estava abordando, com os dados atualizados, uma abordagem melhor do que a anterior.

Segunda saída: usar o conteúdo antigo como base e fazer as mudanças necessárias, acrescentando informações novas, atualizando as ultrapassadas, inserindo novos links internos e otimizando-o para conversões e tráfego orgânico.

Uma dica interessante é utilizar a ferramenta Google Search Console para analisar quais palavras-chave ativaram esse artigo ao longo do tempo. Ou seja, o que as pessoas que clicaram nesse artigo pesquisaram para chegar até ele. Essas palavras-chave podem ajudar muito na otimização, dando insights que podem fazer você mudar título, tópicos e às vezes, o sentido do texto.

Quando paramos para analisar as opções, vemos que a segunda saída acaba sendo um grande potencial de resultados. Sabe por quê? Vou explicar no próximo tópico, vem comigo!

Porque atualizar conteúdos antigos ajuda na estratégia de marketing?

Engana-se quem acredita que atualização de conteúdo antigo é só um hack para aumentar apenas o tráfego orgânico do site ou blog. As atualizações refletem em todas as sua ações de conteúdo e trazem benefícios, como:

  • Melhora a autoridade do site: quando estamos navegando e vemos que o conteúdo está desatualizado isso tende a não nos passar credibilidade. Mas quando ele está atualizado ele passa uma credibilidade maior ao usuário, pois, provavelmente o conteúdo teve uma solução para o usuário mais certa e recente.
  • Melhora a sua conversão: dentro da otimização de conteúdos antigos, podemos esbarrar com uma conversão baixa. Para isso melhorar, é preciso otimizar os CTA’s da página, banners e formulários de conversão. 
  • Melhora o seu tráfego orgânico: como falar em melhorias sem abordar a melhoria que provavelmente trouxe você a esse post? Quando atualizamos o conteúdo antigo, devemos utilizar todas as regrinhas de SEO que aprendemos ali em cima, com o foco no mecanismo de busca, o que acaba auxiliando em aumentar o tráfego orgânico.

E aí, pronto para a próxima e última dica? Então, vamos lá!

Tenha a ferramenta correta para monitorar seus resultados

Qual será a ferramenta ideal para o monitoramento desses resultados? Várias pessoas querem saber e poucas vão dizer, então eu vou dizer para você. Quando vemos os profissionais trabalhando, entendemos que cada um tem a sua ferramenta própria de trabalho e, geralmente, são ferramentas que fazem sentido nas tarefas que o profissional exerce.

Mas, quando paramos para ver a nossa realidade no tráfego orgânico, isso pode ser um pouco difícil. Mostrar valor no nosso trabalho fica mais complicado se não sabemos analisar as ações que estamos fazendo. É por isso que vou te apresentar aqui a melhor ferramenta do Google para análise e mensuração de dados do seu site, o Google Analytics.

O Google Analytics é uma ferramenta de análise de dados que o Google nos disponibiliza gratuitamente, a partir de um código que inserimos no site, blog ou e-commerce. É uma das ferramentas mais completas de análise que o mercado nos disponibiliza atualmente, afinal, com ela podemos ver os seguintes aspectos e dados do site:

  • Tempo real do Google Analytics: nos permite ver a navegação do cliente em tempo real;
  • Público Google Analytics: é possível analisar por completo o público e os dados desse público;
  • Aquisição Google Analytics: é possível ver vários dados referentes às conversões no site. 
  • Comportamento Google Analytics: podemos ver os dados referentes ao comportamento dos usuários;
  • Conversões Google Analytics: análise de tudo relacionado a vendas (se for uma loja virtual), além de metas, que são os indicadores de resultados.

Vale lembrar que o Analytics nos possibilita muito mais do que isso que eu abordei brevemente e que, para um uso total, é necessário um bom conhecimento do seu negócio, da ferramenta e uma usabilidade diária da sua parte.

Agora eu quero saber se essas dicas ajudaram você e o seu site, diga aqui nos comentários para nós!

Leia também: Marketing de conteúdo: o impacto no e-commerce

Compartilhe agora =)

Comente aqui!

Postagens relacionadas

Comente aqui